Introduza a palavra a pesquisar
Pesquisa
 
 Quem Somos   Núcleos    Sócios APEA   Ensino e Profissão   Agenda   Notícias   Inscrições em Formações/Eventos   ECOinforma   Contactos 
Bem-vindo  Notícias  Noticias Indústria e Ambiente
Slideshow image
Ver Calendário APEA para os próximos eventos
     
Notícias
Apresentacoes
CLIMA 2014
Confer. Nac. Sustentabilidade no Setor do Turismo
Conferência Sustentabilidade no Sector do Turismo
Curso de Verão sobre Internacionalização
Diversas
Formações e Eventos APEA
Noticias Indústria e Ambiente
Notícias sobre a APEA
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeção
Um grupo de investigadores da Universidade de Leicester, em Inglaterra, publicou um estudo a poluição atmosférica e aspetos de colonização bacteriana e sobrevivência das bactérias.
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeção

Os dados obtidos sugerem que a exposição das bactérias ao carbono negro induz alterações estruturais, funcionais e de composição nos biofilmes formados pelas bactérias Streptococcus pneumoniae e Staphylococcus aureus. Além disso, a tolerância dos biofilmes aos múltiplos antibióticos e à degradação proteolítica é significativamente afetada.

A pesquisa dos investigadores permitiu igualmente perceber que o carbono negro tem impacto na colonização bacteriana in vivo. Numa experiência de colonização da nasofaringe em ratos, foi possível observar que o carbono negro fez com que a bactéria Streptococcus pneumoniae se espalhasse da nasofaringe aos pulmões, o que tem um efeito determinante na contração da infeção.

Alterações estruturais

O carbono negro induziu uma alteração dramática na arquitetura dos biofilmes não encapsulados Streptococcus pneumoniae, o que deu origem a uma estrutura complexa com protrusões e canais. Esta situação contrasta com os biofilmes formados sem a presença do carbono negro, que eram estruturas relativamente planas com pouca área de superfície, limitando o contacto. Os biofilmes formados após exposição ao carbono negro eram também mais espessos e irregulares do que os biofilmes de controlo.

Na bactéria Staphylococcus aureus foram observados diferentes efeitos, embora tenha igualmente havido alterações na formação de biofilmes. A espessura destes biofilmes aumentou significativamente. Registou-se também o desenvolvimento de massas volumosas a partir da superfície normalmente suave do biofilme. A sua integridade estrutural também sofreu alterações. Ao contrário do sucedido com a Streptococcus pneumoniae, o carbono negro diminuiu significativamente o número de células viáveis da Staphylococcus aureus. Apesar disso, o poluente não afetou a viabilidade da Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), o que demonstra que o efeito da partícula tem variações intra e inter-espécies.

Os investigadores usaram proteínase K para avaliar a degradação proteolítica dos biofilmes, tendo percebido que os biofilmes não expostos ao carbono negro sofreram uma degradação significativa. Os biofilmes expostos ao poluente não foram significativamente afetados pelo tratamento com a proteínase, o que sugere que contêm menos proteína na sua estrutura.

Tolerância aos antibióticos

Tendo em conta a reconhecida resistência dos biofilmes aos antibióticos, os investigadores decidiram estudar a resistência de biofilmes expostos a carbono negro. Os efeitos são distintos consoante os antibióticos usados. Os biofilmes da bactéria Staphylococcus aureus e da MRSA formadas na presença de carbono negro mostraram um significativo decréscimo na tolerância à oxacilina, e os biofilmes da Staphylococcus aureus exposta ao carbono negro também mostraram uma significativa descida na tolerância à daptomicina e tetraciclina. Os investigadores também descobriram que os biofilmes de Streptococcus pneumoniae formados na presença de carbono negro demonstraram um significativo aumento na resistência à penicilina G.

A investigação sugere também uma correlação entre a tolerância dos biofilmes aos antibióticos e o nível de degradação proteolítica.

.
 
Enviar este artigo a um(a) amigo(a).
  
 
Notícias
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeção
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeçãoUm grupo de investigadores da Universidade de Leicester, em Inglaterra, publicou um estudo a poluição atmosférica e aspetos de colonização bacteriana e sobrevivência das bactérias.
Primeiro “Acordo de Inovação” europeu dirige-se à reutilização da água
Primeiro “Acordo de Inovação” europeu dirige-se à reutilização da águaNo dia 7 de abril, a Comissão Europeia e 14 parceiros, entre autoridades nacionais e regionais, universidades e centros de inovação, assinaram o primeiro “Acordo de Inovação”, um instrumento criado pela Comissão Europeia para ajudar a ultrapassar obstáculos legislativos e, deste modo, encurtar a distância entre uma ideia e a sua aplicação no mercado. Serão abrangidos projetos que tenham por objetivo último a economia circular. É um acordo voluntário que visa juntar os organismos regulatórios nacionais, locais e da União Europeia.

Inovação em energia renovável na União Europeia
Inovação em energia renovável na União EuropeiaO estudo “Heterogeneous policies, heterogeneous technologies: The case of renewable energy” analisa os efeitos da regulação de mercado e da política ambiental em oito tipos de energia renovável na União Europeia. Reduzir as barreiras à entrada de energia pode funcionar como um grande impulso à inovação nesta área.
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeção
Poluição atmosférica afeta desenvolvimento das bactérias, aumentando o potencial de infeçãoUm grupo de investigadores da Universidade de Leicester, em Inglaterra, publicou um estudo a poluição atmosférica e aspetos de colonização bacteriana e sobrevivência das bactérias.
Filipe Duarte Santos é o novo presidente do CNADS
Filipe Duarte Santos é o novo presidente do CNADSO Governo aprovou, através da Resolução do Conselho de Ministros n.º 42/2017, a designação de Filipe Duarte Santos para presidente do Conselho Nacional de Ambiente e Desenvolvimento Sustentável.

O novo presidente exercerá funções durante três anos, com possibilidade de renovação, sucedendo a Mário Ruivo, falecido este ano.

Filipe Duarte Santos é professor catedrático jubilado de Física na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
Administradora da ERSAR nomeada para o bureau do Protocolo Água e Saúde da UNECE
Administradora da ERSAR nomeada para o bureau do Protocolo Água e Saúde da UNECEA administradora da ERSAR Ana Barreto Albuquerque foi nomeada para o bureau do Protocolo Água e Saúde da Comissão Económica das Nações Unidas para a Europa (UNECE).
 |  Adicionar aos Favoritos  |  Mapa do site  |  Ficha Técnica  |  Membro português da EFAEP  
RSS RSS link  RSS-Eventos RSS Eventos link  RSS-Emprego RSS Emprego link   © Associação Portuguesa de Engenharia do Ambiente 2008 - desenvolvido com Senso Comum Lda.